Paulo Camelo

Poesia é sentimento. O resto é momento.

Áudios

São tantas...
Data: 04/08/2006
Créditos:
Título: São tantas...
Autor: Paulo Camelo
Voz: Paulo Camelo
Gravação: Paulo Camelo
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Paulo Camelo - www.camelo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

São tantas...
“São tantas as estrelas que não vi
e muitas são as coisas que não sei.”
(“Bilboquê”, Ana Bailune)

--------

Uma tristeza vem dentro de mim
atormentando a vida, impiedosa:
eu amo Vênus, como eu amo a rosa,
e não me defini com quem, enfim,
irei viver o amor, que não tem fim
e está bem mais além do que eu sonhei.
Não sei quantas estrelas amarei
nem sei com quantas rosas me feri,
são tantas as estrelas que não vi
e muitas são as coisas que não sei.

Imaginava eu ter conhecido
a vida e as beleza de viver
mas uma gota apenas de saber
é tudo que eu almejo. Não olvido
o tempo de prazeres já vivido
e aqueles que eu queria e não vivi.
São tantas as estrelas que não vi
e muitas são as coisas que não sei
se inda terei na vida, se amarei
ou não terei, porque não conheci.
Enviado por Paulo Camelo em 03/08/2006

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Paulo Camelo - www.camelo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras