Paulo Camelo

Poesia é sentimento. O resto é momento.

Textos

Pesadelo
A treva povoava a noite escura,
e nessa escura noite um vulto eu vi,
correndo feito louco, qual zumbi,
que não encontra a alma que procura.

O vulto iluminava, em vã brancura,
um campo devastado, um cariri
em que jamais se ergueu um taquari,
tamanha e imensa a carga de amargura.

A luz que alumiava o branco vulto
em nada parecia a um vagalume,
em nada se igualava, não luzia.

Em noite escura, em quarto escuro oculto,
eu me vi nulo, igual facão sem gume,
e a noite se fez breu à luz do dia.
Paulo Camelo
Enviado por Paulo Camelo em 29/05/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Paulo Camelo - www.camelo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras