Paulo Camelo

Poesia é sentimento. O resto é momento.

Textos

Não trema
Eu pensei escrever um bel poema
e esquentei, com rigor, a pena e o punho.
Um rabisco esbocei no meu rascunho
e não pude encontrar o exato tema.

Aticei a memória, olhei fonema,
estudei a gramática e no cunho
agucei minha gráfica. Era junho
e eu pensei em aposentar o trema.

Aguentei com frequência a vã memória,
em sanguínea aversão a esquecimento,
e moldei, inconsequente, o tal soneto.

O sequestro da língua fez história
e, no fim, com eloquente atrevimento,
eu tremi como treme um vil graveto.

01/06/2010
Paulo Camelo
Enviado por Paulo Camelo em 01/06/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Paulo Camelo - www.camelo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras