Paulo Camelo

Poesia é sentimento. O resto é momento.

Textos

Cometa alexandrino
Quando me deu na telha eu cometer soneto,
até o alexandrino atropelei; eu juro!
Errei numa cesura, andei pulando muro,
e mesmo assim com ele eu sei que me intrometo.

Às vezes erro a rima e mudo o seu quarteto.
Entanto, o alexandrino insiste em dar um duro
e me botar à prova. Eu fico mais seguro
e vou até o fim, nos versos do terceto.

E, se me der na telha, eu vou cometer mais,
pois o soneto faz de mim malabarista
em busca de equilíbrio, em busca do meu eu.

Não sou como um cometa. Assim, buscando a paz,
prefiro o alexandrino eu não perder de vista,
embora inda não saiba onde ele se meteu.
Paulo Camelo
Enviado por Paulo Camelo em 07/08/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Paulo Camelo - www.camelo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras