Paulo Camelo

Poesia é sentimento. O resto é momento.

Textos

Passio II
Que perdi, meu amor? O meu vate, o meu bardo,
este eu sou, sabes tu, que meus versos manténs
entre os teus não sei quê, teus picuás, teus teréns,
e nem lembras dizer que não tens mais no fardo

as lembranças de outrora, e hoje eu sei que não ardo
em saudades de ti, não sou mais dos teus bens
a riqueza maior. Sabes bem que me tens
- não me tenhas, talvez -, pois demoro e não tardo

a dizer que meu verso é pra ti, mas não é;
é memória, é olvido - amanhã já não sou -
e trovando eu me vingo, ao dizer que te amo.

O que mais vou dizer? És a minha mulher,
és a musa, a vilã, a serpente que eu vou
devorar, pra dizer: sou teu cervo, teu gamo.

07/08/2010
Paulo Camelo
Enviado por Paulo Camelo em 07/08/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Paulo Camelo - www.camelo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras