Paulo Camelo

Poesia é sentimento. O resto é momento.

Textos

Eis a hora
Vate, é hora de ser, mais que ter. Eis a senha.
É chegado o momento e não podes calar,
Tens a força do verso e esse teu versejar
é teu brado, teu grito, e não mais se contenha

em teu peito o clamor. que amanhã não te venha
a cobrança dos teus. Não permitas cobrar
que ficaste calado ao clamor popular.
Tens a pena e o papel, tens o fogo e a lenha.

E é chegada essa hora. Abre a boca em teu grito,
abre o teu coração e ilumina o teu mundo,
esse povo que está - ou parece - perdido.

É chegada essa vez de acabar todo o mito
e tu tens no poema o teu brado profundo.
É preciso mudar! Que te faças ouvido.

20/08/2010
Paulo Camelo
Enviado por Paulo Camelo em 20/08/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Paulo Camelo - www.camelo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras